Marcha das Vadias Brasil: a marcha mais sem noção de todas

Agora quanto a Marcha das Vadias no Brasil temos um diferencial: luta contra a violência contra a mulher, direito ao aborto e mais respeito (além de reclamarem poder se vestir como vadias).

Primeiro: só o fato de dizerem ser liberdade poder se vestir como vadia mostra que todo o feminismo agora não passa de um fruto do machismo veiculado na mídia. Continuar lendo Marcha das Vadias Brasil: a marcha mais sem noção de todas

Anúncios

Marcha das Vadias: uma marcha sem noção

Ultimamente no Brasil vem acontecendo uma série de marchas de caráter feminista inspirada numa marcha que se originou no Canadá: A Marcha das Vadias.

Para você leitor que não sabe direito o porquê dessa marcha, vou relatar brevemente o que a originou: no Canadá, em 2011, na Universidade de Toronto, vários casos de abuso sexual estavam acontecendo e um policial disse para que as mulheres evitassem se vestir como vadias para evitar o estupro, ou abuso. Depois disso meio mundo de mulher se revoltou.

Continuar lendo Marcha das Vadias: uma marcha sem noção

Crescimento Espiritual

Aprender a Raciocinar

Como crianças, que crescem naturalmente, nós cristãos, em espiritualidade também devemos crescer. Ao menos as expectativas crescem, físico e mentalmente, de modo que, a cada ano é esperado de cada cristão o dar um passo rumo a auto-suficiência, ou seja, é esperado que possam fazer mais por si só, sem ajuda de outrem.

Jesus nos deixou a missão de pregar o evangelho a todas as criaturas e fazer discípulos de todas as nações. Sem dúvida, uma criança não poderá discipular outra pessoa, senão uma criança ainda mais nova que necessite de certos ensinamentos de alguém que acabou de viver determinadas situações semelhantes.

O fato é que, para crianças e adultos, em sua maioria, os discipuladores são pessoas adultas, ou próximas a idade adulta, de forma que possuem ao menos um mínimo de maturidade exigida para o cargo de ensinarem valores e ideais a outras mentes.

O ser humano não foi feito para depender de outros por toda sua vida, e sim que aprenda com outros o suficiente para cuidar de outros mais. O curso natural é que nos ensinem para que ensinemos. Nosso papel de aluno um dia se finda. Não podemos receber o tempo inteiro. Mesmo que ainda estejamos aprendendo mais, paralelamente, temos que ensinar a outros aquilo que recebemos. Se recebemos de graça, temos de compartilhar de graça.

O ser humano foi feito para raciocinar. Não podemos nos fixar em ideias, mas sim em desenvolvê-las. Nós somos seres pensadores. Tudo o que aprendemos ainda é imperfeito, de modo que temos de buscar aperfeiçoá-lo até não termos mais outra alternativa, senão parar. Deste ponto, outra pessoa continuará o nosso esforço, indo além.